China exporta equipamentos médicos defeituosos para o Brasil

(Foto: John Thys/AFP via Getty Images)
(Foto: John Thys/AFP via Getty Images)

Após relatos no inicio de abril de que a China estaria enviando diversos equipamentos defeituosos e contaminados para a Europa, Brasil recebe exige de volta 25 milhões de volta aos cofres do Pará pelo mesmo problema

Os problemas já viam acontecendo no mundo todo, desde testes rápidos, até respiradores defeituosos. Houve relatos de até mesmo equipamentos com substâncias que assemelham poeira e mofo. Segundo o Getstone Institute houveram países que receberam jalecos com insetos e testes rápidos contaminados com o coronavírus. Na Eslováquia testes vendidos pela China eram imprecisos e sem condições nenhuma de identificar o vírus. O Primeiro Ministro da Eslováquia Igor Matovič divulgou: "Temos uma tonelada de testes que não servem para nada".

Monitoramento da população na China

A china tem um verdadeiro mar de câmeras e formas de monitoramento da população com apps e outras ferramentas, mas o governo não se responsabiliza em monitorar a venda desses equipamentos defeituosos e que podem piorar a situação da pandemia no mundo todo. O redator-chefe do Bild, Julian Reichelt, fez críticas duras diretamente ao Presidente Chinês Xi Jinping: "Você governa por meio de monitoramento. Você não seria presidente sem a vigilância. Você monitora tudo, todos os cidadãos, mas se recusa a monitorar as feiras livres enfermas de seu país."

Brasil foi mais uma das vítimas do descaso

No mês de abril o governador do estado do Pará, Helder Barbalho, havia dito o que seria feito com os equipamentos encomendados da China.

 "Com a chegada dos equipamentos, vamos preparar a infraestrutura do Hangar para implementar um grande número de leitos de UTI. Esta medida permitirá a ampliação do uso do Hospital de Campanha " - disse o governador.

Porém o Estado recebeu respiradores danificados da China, itens considerados cruciais para salvar vidas de pacientes em estado grave. Assim como a maioria do país, o Pará está montando seus hospitais de campanha para evitar que os leitos de UTI fiquem superlotados.

Um acordo foi firmado no dia 12/05/2020 obriga a SKN do Brasil Importação e Exportação de Eletrônicos LTDA a devolver R$ 25,2 milhões de reais aos cofres públicos do Estado.

Sobre o Autor:
SEU_NOME Jovem escritor, apaixonado por leitura. "Se um assunto é de meu interesse, pode apostar que vou até o fim para descobrir mais sobre ele." Prazer, Wesder Siqueira.